O uso do haicai no jornalismo de Millôr Fernandes

  • Marcio Acselrad Universidade de Fortaleza
  • Raphael Barros Alves Universidade de Fortaleza

Resumen

A partir da visão de que a poesia tem muito a contribuir com a comunicação, este trabalho analisa a força comunicativa do haicai, utilizando conceitos da Teoria da Guerrilha Artística. Busca-se analisar especificamente o uso que o jornalista Millôr Fernandes fez deste poema de origem japonesa.

Citas

ALMEIDA, Guilherme de (1937). Os meus haicais. Disponível em: http://www.kakinet.com/caqui/gamh.htm. Acesso em: 03 de out. 2010.

ANDRADE, Abrahão Costa (2003). Angústia da concisão: ensaios de filosofia e crítica literária. São Paulo: Escrituras Editora.

ANDRADE, Oswald de (1976). Obras completas X: telefonema. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

BALZAC, Honoré (2004). Os jornalistas. Rio de Janeiro: Ediouro.

BARTHES, Roland (2006). O prazer do texto. São Paulo: Perspectiva.

BARTHES, Roland (2004). O rumor da língua. São Paulo: Martins Fontes.

BASHÔ, Matsuó (1997). Trilha estreita ao confim. São Paulo: Iluminuras.

CALVINO, Italo (1990). Seis propostas para o próximo milênio. São Paulo: Companhia das Letras.

FÉNÉON, Félix (2008). REVISTA PIAUÍ. A vida em três linhas. Disponível em: http://revistapiaui.estadao.com.br/edicao_19/artigo_566/A_vida_em_tres_linhas.aspx. Acesso em: 01 de out. 2010

FERNANDES, Millôr (1994). Millôr definitivo: a bíblia do caos. Porto Alegre: L&PM, 1994.

FERNANDES, Millôr. Hai-kais. Porto Alegre: L&PM, 1997.

FILHO, Antonio (2008). Trapézio. Disponível em: http://tapiocatapioca.blogspot.com/2008/05/trapzio-por-antonio-filho-escrever-um.html. Acesso em 05 de out. 2010.

GOGA, H. Massuda (1988). O haicai no Brasil: história e desenvolvimento. Disponível em: http://www.kakinet.com/caqui/brasil.htm. Acesso em: 01 de out. 2010.

GUTTILLA, Rodolfo Witzig (Org.) (2009). Boa companhia: haicai. São Paulo: Companhia das Letras.

LEMINSKI, Paulo (2004). Catatau. Curitiba: Travessas dos Editores.

LIMA, Alceu Amoroso (1969). O jornalismo como gênero literário. Rio de Janeiro: Agir.

MARSICANO, Alberto (1997). A trilha errante de Bashô. Em BASHÔ, Matsuó. Trilha estreita ao confim. São Paulo: Iluminuras.

MARSICANO, Alberto (1997). A trilha errante do haikai. Em BASHÔ, Matsuó. Trilha estreita ao confim. São Paulo: Iluminuras.

MATTOS, Celso Moreira de; SIQUEIRA, José Eduardo de (2005). Mídia e bioética: repensando a ética na informação. Revista Brasileira de Bioética, Brasília, v. 1, n. 1, p. 45-60.

MEDEL, Manuel Ángel Vázquez (2002). Discurso literário e discurso jornalístico: convergências e divergências. Em CASTRO, Gustavo de; GALENO, Alex. (Org.). Jornalismo e literatura: a sedução da palavra. São Paulo: Escrituras Editora.

MORIN, Edgard (2002). As duas globalizações: complexidade e comunicação, uma pedagogia do presente. Porto Alegre: Sulina/EDIPUCRS.

NARUTO, Minoro (2008). Em JORNAL DA GLOBO. Poesia japonesa. Disponível em: http://g1.globo.com/jornaldaglobo/0,,MUL876409-16021,00-POESIA+JAPONESA.html. Acesso em: 01 de out. 2010.

NETO, João Cabral de Melo (1994). Obra completa: volume único. Rio de Janeiro: Nova Aguilar.

NETTO, José Teixeira Coelho (2007). Semiótica, informação e comunicação. São Paulo: Perspectiva.

NOBLAT, Ricardo (2007). A arte de fazer um jornal diário. São Paulo: Contexto.

PAULILLO, Maria Célia Rua de Almeida (1980). Millôr Fernandes. São Paulo: Abril Educação.

PIGNATARI, Décio (2004). Contracomunicação. Cotia: Ateliê Editorial.

PIGNATARI, Décio (2008). Informação, linguagem, comunicação. Cotia: Ateliê Editorial.

PIGNATARI, Décio (2002). Objeto, objetivos, objeções. Em WEBER, Maria Helena. et al. (Org.). Tensões e objetos da pesquisa em comunicação. Porto Alegre: Sulina.

PINHEIRO, Amálio (Org) (2009). O meio é mestiçagem. São Paulo: Estação das Letras e Cores.

PINTO, Jóse Alcides (1976). Comunicação, ingredientes, repercussão. Fortaleza: UFC.

QUINTANA, Mario (2007). Da preguiça como método de trabalho. São Paulo: Globo.

RUIZ, Alice (2008). Em JORNAL DA GLOBO. Poesia japonesa. Disponível em: http://g1.globo.com/jornaldaglobo/0,,MUL876409-16021,00-POESIA+JAPONESA.html. Acesso em: 01 de out. 2010.

SAITO, Roberto; GOGA, H. Massuda; HANDA, Francisco. (Org.). 100 haicaístas brasileiros. São Paulo: Aliança Cultural Brasil-Japão, 1990.

SANTAELLA, Lúcia; NÖTH, Winfried (2008). Imagem: cognição, semiótica, mídia. São Paulo: Iluminuras.

SATO, Nanami. Jornalismo, literatura e representação. Em CASTRO, Gustavo de; GALENO, Alex. (Org.). Jornalismo e literatura: a sedução da palavra. São Paulo: Escrituras Editora, 2002.

SCHOPENHAUER, Arthur (2008). A arte de escrever. Porto Alegre: L&PM.

SILVA, Juremir Machado da (2002). O que escrever quer calar? Literatura e jornalismo. Em CASTRO, Gustavo de; GALENO, Alex. (Org.). Jornalismo e literatura: a sedução da palavra. São Paulo: Escrituras Editora.

STUDART, Júlia; LIMA, Manoel Ricardo de (2008). Os tankas de Wilson Bueno. Disponível em: http://www.clicrbs.com.br/diariocatarinense/jsp/default2.jsp?uf=2&local=18&source=a2179023.xml&template=3898.dwt&edition=10676&section=853. Acesso em 04 de out. 2010.

TAKAHASHI, Jo (2008).Em JORNAL DA GLOBO. Poesia japonesa. Disponível em: http://g1.globo.com/jornaldaglobo/0,,MUL876409-16021,00-POESIA+JAPONESA.html. Acesso em: 01 de out. 2010.

TÁPIA, Marcelo (2009). ENTRELINHAS. Haicais e Lemericks. Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=yvj3zNyXP_U. Acesso em: 01 de out. 2010.

Publicado
2011-06-30
Cómo citar
Acselrad, M., & Alves, R. (2011). O uso do haicai no jornalismo de Millôr Fernandes. TecCom Studies, (2), 94-101. Recuperado a partir de http://www.teccomstudies.com/index.php?journal=teccomstudies&page=article&op=view&path[]=132
Sección
Artículos